ARTICLE TITLE:

REFERENCE TYPE:

AUTHOR(S):

EDITOR(S):

PUBLICATION DATE:

PUBLICATION TITLE:

VOLUME:

PAGES:

ABSTRACT:

Caracterização da Chuva de Sementes em Áreas de Preservação Permanente no Município de Sidrolândia, MS.

Cadernos de Agroecologia

OLIVEIRA, M. D., MELLO, L. S., & PEREIRA, Z. V. 

2018

Cadernos de Agroecologia

13(2)

 10-10

A chuva de sementes é o componente mais importante para manutenção da capacidade de recomposição da floresta, sendo definida como a chegada de diásporos através dos distintos mecanismos de dispersão, é um dos principais indicadores do estado de conservação e regeneração de florestas tropicais. Sendo assim, objetivou-se com essa pesquisa caracterizar a chuva de sementes em três áreas ao longo de APP no município de Sidrolândia, MS, sendo A¹ Cerradão, A² Mata de Galeria Inundável e A³ área de regeneração natural. Instalou-se 15 coletores em cada área com tela de nylon de 2mm, 1m² de área e 50cm de profundidade. Os materiais depositados nos coletores foram recolhidos mensalmente, acondicionados em sacos plásticos etiquetados e levado para a triagem no LABRA (laboratório de Restauração Ambiental) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) no período de julho de 2017 a abril de 2018. Posteriormente, as sementes de todos os diásporos, foram contadas, separadas e identificadas. Foram amostrados um total de 46.417 propágulos nas 3 áreas, sendo (A¹) a fitofisionomia com maior número de indivíduos (34.965), onde Ficus guaranitica Chodat, Myracrodruon urundeuva Allemão foram as espécies mais representativas, em A² (9.351 individuos) destacaram-se Triplaris americana L e Ficus insipida Willd, em A³ (2.101 individuos), Citronella gongonha (Mart.) foi uma das mais abundantes. Os dados deste estudo mostram que apesar das áreas terem sido submetidas as pressões antrópicas, e haver um desequilíbrio em relação a abundância de algumas espécies, os agentes dispersores podem contribuir para o reestabelecimento da área, trazendo espécies do entorno.

URL:

Apoyo

El Proyecto de Ecología Liana es apoyado por la Universidad Marquette y financiado en parte por la National Science Foundation.